9 dicas para escolher os equipamentos ideais para cursos de primeiros socorros

equipamentos ideais para cursos de primeiros socorros

Cursos de primeiros socorros são essenciais nos mais diversos casos. Afinal, seja em casa ou em um ambiente de trabalho, os cuidados no momento após um acidente podem fazer uma grande diferença. Então, se você ministra esses cursos, existe uma grande responsabilidade.

É claro que para ensinar bem como agir em emergências, você precisa ter os equipamentos necessários. Portanto, é isso que você vai ver nesse post. Confira 9 dicas para escolher os equipamentos ideais para cursos de primeiros socorros.

1 – Adapte o kit para cada turma

Para o curso ser o mais proveitoso possível, a primeira dica é buscar dividir as turmas e adaptar o conteúdo do kit.

Em sua Norma Regulamentadora 7, o programa diz que os kits devem ser montados de acordo com o grau de risco aos quais os colaboradores estão expostos. Por exemplo, o kit para uma indústria siderúrgica é bem diferente de um kit para uma empresa de construção civil.

Saindo um pouco do ambiente corporativo, você ainda pode adaptar o kit à turma. Pode ser que o kit de primeiros socorros seja para mães de recém-nascidos ou para crianças um pouco mais velhas, ou ainda para professores em escolas. (Confira aqui dicas importantes sobre primeiros socorros nas escolas). Portanto, antes de montar o kit, estude o perfil da turma e faça as adaptações necessárias.

2 – Não esqueça os principais materiais

Além de adaptar o kit para cada turma, também é preciso garantir que todos os materiais mais básicos estão no kit. Os principais são:

  • Soro fisiológico para limpar possíveis machucados;
  • Gaze esterilizada de diferentes tamanhos para cobrir as feridas;
  • Solução antisséptica para desinfetar;
  • Ataduras e esparadrapo para imobilizar membros ou para segurar compressas no local das feridas;
  • Luva descartável, de preferência sem ser de látex, para proteger o contato com o sangue;
  • Algodão, para ajudar a aplicar produtos nas feridas;
  • Tesoura;
  • Curativos do tipo band-aid, para proteger pequenos cortes e feridas;
  • Termômetro, de preferência sem ser de mercúrio;
  • Pomadas para queimaduras;
  • Desfibrilador do tipo DEA;
  • Bonecos e manequins para treinamento.

A partir dessa lista básica, você pode adicionar outros tipos de equipamentos necessários.

3 – Verifique a procedência dos equipamentos

Ao comprar qualquer equipamento médico, é preciso ter muito cuidado na escolha. Pois, a qualidade deve ser a mais alta possível. Isso significa que o treinamento é o melhor possível, assim como o seu conteúdo.

4 – Considere como é a ementa do curso

Também é importante entender como é a ementa do curso para garantir que você tenha todos os equipamentos necessários. Pode ser que seja algo mais teórico, mas se o objetivo é que os alunos coloquem a mão na massa, você precisa ter bastante equipamento, como por exemplo de diversos manequins de treinamento.

5 – A escolha da caixa para o kit

Um ponto que também merece atenção é o próprio recipiente que irá guardar o kit. O ideal é que seja um caixa grande, para que todos os equipamentos possam ser guardados sem problemas. Mas que seja fácil de transportar, guardar e abrir para a mobilidade dos cursos que podem ser dados em outros locais. Além disso, é fundamental que ele tenha um indicador de que é um kit para treinamento em emergências.

6 – Prepare equipamentos para ocasiões diferentes

Mencionamos acima a necessidade de adaptar os cursos à turma. Agora, também é importante trazer kits diferentes para as situações mais comuns, que certamente serão abordadas nos cursos.

Por exemplo, acidentes rodoviários são extremamente comuns, sendo uma ótima prática ter aulas no curso sobre como lidar com esse tipo de acidente e qual é o kit ideal para ter no carro.

Se for um curso mais completo, ele pode trazer informações sobre como usar o torniquete, um instrumento essencial para parar hemorragias mais graves.

Especialmente para quem tem crianças perto, é comum encontrar corpos estranhos no nariz ou na boca. O curso pode ajudar a ensinar a lidar com esses momentos, além de trazer equipamentos necessários para fazê-lo. (Confira aqui dicas de como ensinar a fazer RCP em recém-nascidos)

Choques elétricos são extremamente graves e um primeiro socorro pode ajudar bastante, assim como a convulsão.

Outro problema bem comum são as picadas de insetos ou mordidas de animais. Seu curso pode trazer equipamentos que ajudam a limitar os impactos causados pela ação.

Por fim, as substâncias químicas são comuns tanto em casa quanto no trabalho e podem causar diversos problemas, desde queimaduras até os acidentes mais graves. Dependendo do nível de complexidade do curso, você pode precisar de equipamentos para cada uma dessas situações.

7 – Atenção aos equipamentos de emergências cardíacas

É essencial que os alunos também sejam capacitados para atender à emergências cardíacas. E para isso é essencial contar com, pelo menos, um tórax de RCP e um DEA para treinamento.

Para esses 2 itens é importante lembrar que, desde janeiro de 2019, a American Heart Association (AHA) exige que todos os centros de treinamento possuam um dispositivo de feedback de RCP.
Confira aqui a diretiva oficial da AHA.

Esse dispositivo permite que o aluno e professor possam mensurar a qualidade das compressões para poderem estar melhor treinados e aprimorar as técnicas de ressuscitação cardiopulmonar.

Confira no vídeo abaixo mais detalhes e sobre a importância do Feedback de RCP.

Para esses equipamentos, o mais importante é que eles sejam de qualidade e comprados com uma empresa que tenha boa reputação no mercado. Além disso, é recomendado que eles sejam os mais completos possíveis, simulando as condições que as pessoas irão enfrentar no dia a dia e com funções que auxiliam no aprendizado American Heart Association

8 – Atualize-se sempre

É muito importante ficar atento as inovações e mudanças no mercado, indústria e setor da saúde em geral. Assim como essa novidade da American Heart Association sobre o Feedback de RCP, o setor está em constante evolução e adaptação. Além disso temos as diretrizes de Ressuscitação cardiopulmonar, que se atualizam a cada 5 anos (confira aqui as ultimas atualizações). É importante estar sempre atento e garantir que sua equipe esteja atualizada quanto a questão acadêmica  e também quanto as inovações tecnológicas, junto à indústria e fabricantes.

9 – Dicas gerais sobre os produtos

Para finalizar, vamos dar algumas dicas rápidas sobre os produtos:

  • Garanta que o kit de primeiros socorros (ou a maleta) seja a prova d’água. Você nunca sabe onde o kit será usado ou guardado e a água pode danificar equipamentos;
  • Os kits devem estar sempre bem abastecidos. Se os equipamentos são usados durante as aulas, garanta que são repostos logo após;
  • Vale a pena optar por uma gaze maior. Ela é mais fácil de cortar e adaptar a feridas menores do que o contrário. Se precisar escolher, opte pelas maiores;
  • Ensine a colocar um cobertor ou lençol de emergência próximo ou dentro do kit;
  • Verifique a data de validade de todos os equipamentos, especialmente se o kit for ser dado de brinde para os alunos.

Com essas dicas, você consegue montar o kit de primeiros socorros ideal e garantir que o curso seja ainda mais proveitoso.

Ficou com alguma dúvida? Clique aqui e fale com um de nossos especialistas!

Quer aproveitar e conhecer nossos equipamentos para treinamento?

 

 

DEA TRAINER AMÓS CONTROLE REMOTO

 

DEA TRAINER JEZER FEEDBACK RCP

 

 

 

TÓRAX PARA TREINAMENTO DE RCP (SBV)

COMPRAR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Blog