Desfibrilador para empresa: como divulgar a aquisição do DEA para clientes e colaboradores

Ter um DEA à disposição de colaboradores e clientes é essencial para a segurança de todos e também contribui muito para a imagem positiva de qualquer instituição. Afinal, o objetivo de ter uma aparelho desse tipo é salvar vidas, não é mesmo? Seus funcionários e clientes agradecerão por se sentirem seguros e pelo cuidado com o bem-estar e a saúde de todos.

Sendo assim, você deverá informar a seus funcionários e clientes que a empresa possui um desfibrilador para empresas que ficará à disposição de quem precisar. É importante que todos saibam que, se houver alguma emergência cardíaca, ninguém ficará sem os primeiros socorros devidos.

Mas como fazer isso? Simples: por meio de divulgação interna utilizando algumas práticas que farão com que todos saibam da existência desse poderoso equipamento de segurança dentro de sua empresa. E, principalmente, para que entendam a sua enorme importância. Continue a leitura e saiba como fazer isso de forma eficiente!

1. Mantenha o DEA em local visível e acessível com Informações

DEA - desfibrilador para empresas

É fundamental manter o desfibrilador em local acessível para o caso de emergências. Além disso, é importante manter um cartaz informativo afixado em local de maior circulação. E, se possível, disponibilizar panfletos com informações sobre o equipamento, bem como sua utilidade. Um exemplo de cartaz informativo que pode ser utilizado está disponível para download aqui.

2. Fale sobre a importância do DEA para seus funcionários

Comunique a todos sobre a importância de ter um desfibrilador no ambiente de trabalho. Comece falando o que é um DEA e qual sua ação em situações de emergências cardíacas.

Você pode fazer isso com o envio de e-mails mais informativos para todos os colaboradores e em reuniões específicas. Assim como pode indicar a leitura de conteúdo sobre a importância de ter um DEA como esses

3. Realize palestras motivacionais

Essa medida, além de expressar o quanto a empresa se importa com a segurança de seu funcionário, contribui para divulgação do uso adequado de determinado equipamento. Demonstre a seus colaboradores o quanto investir em um DEA significa também investir em Saúde e Segurança do Trabalho. Você pode levar alguns auxílios importantes para sua palestra como por exemplo um palestrante ou material audiovisual. Hoje, é comum, devido aos variados conteúdos publicados no Youtube, o destaque de profissionais que atuam na área de segurança do trabalho. Informe-se e contacte um conferencista conhecido.

Profissionais que vivenciaram experiências positivas ou negativas com determinado equipamento são sempre bem-vindas em palestras. Elas, geralmente, trazem um efeito muito desejável e muita curiosidade entre os interessados. E ainda servem como exemplo de como se comportar e esclarecem o que deve ou não ser feito em situações emergenciais.

Você também pode recorrer a vídeos instrutivos como esses abaixo:


4. Invista em treinamentos internos

Uma maneira de informar e incentivar todos os colaboradores sobre os equipamentos de segurança da empresa é por treinamentos internos.

Uma boa dica é aproveitar os espaços e oportunidades que podem surgir durante a SIPAT (Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho), por exemplo, para trazer esse tipo de treinamento. Dessa forma, você pode tanto dar treinamentos mais técnicos e expositivos, quanto treinamentos de primeiros socorros. Nos treinamentos técnicos, é essencial que os colaboradores conheçam bem os aparelhos de segurança da empresa, como o DEA e outros que também necessitam de um treinamento regular, para que os colaboradores saibam como usar em situações emergenciais.

E os treinamentos de primeiros socorros podem ser mais completos como o de preparo para atendimento em primeiros socorros e até mesmo de Suporte Básico de Vida, onde são treinadas diversas técnicas de atendimento pré-hospitalar que, juntamente com o DEA, são muito valiosos para salvar vidas.

Esses treinamentos podem ser feitos com a ajuda de empresas especializadas e podem incluir também atividades práticas, como simulações.

Como treinar sobre o DEA

No caso do DEA, a empresa que compra ou aluga o aparelho é treinada para usá-lo de forma correta. Existem muitos outros aparelhos de segurança em uma empresa, que também necessitam de um treinamento regular, para que todos os colaboradores saibam como usar.

Esses treinamentos podem ser feitos com a ajuda de empresas especializadas, que têm a didática correta de como repassar informações relevantes sobre os equipamentos que serão utilizados. Contrate cursos específicos que abordem a importância do equipamento de segurança/saúde, de preferência com vídeos e atividades práticas, como simulações.

Dessa forma, você garante não apenas a educação, integração e segurança, mas também que sua equipe esteja preparada para o uso adequado do aparelho em situações de primeiros socorros.

5. Reforce os benefícios de ter um DEA na sua empresa

É importante que todos saibam as vantagens de ter um DEA (Desfibrilador Externo Automático) no ambiente de trabalho. Confira a seguir alguns dos benefícios de ter um desfibrilador para empresa. Assim, ficará mais fácil de repassá-los à sua equipe.

Segurança

Ter um desfibrilador na empresa, como o DEA, garante que em casos de situações de emergências cardíacas seja garantido um primeiro atendimento com segurança e agilidade. Afinal, o DEA faz uma leitura do sinal do ECG e determina o tratamento adequado com precisão em poucos segundos.

É importante entender e explicar também que quem está operando o DEA Life 400 se sente muito mais seguro pois a desfibrilação (choque elétrico) somente é aplicada quando necessária e permitida. Caso o individuo aperte o botão sem a indicação do aparelho, ou o acione acidentalmente, o choque não será disparado (em nenhuma hipótese). Afinal, o funcionamento do botão só é liberado quando o diagnóstico automático indica a necessidade da aplicação do tratamento;

Aparelho compacto e de fácil manuseio

Trata-se de um equipamento leve e portátil e que se adapta para atendimento a adultos, crianças e idosos. E foi projetado para ser operado também por qualquer pessoa leiga (não precisa ser médico ou socorrista) previamente treinada. Sua utilização é intuitiva e autoexplicativa;

O DEA salva vidas

Quer benefício maior que esse? Quando um DEA é utilizado no local onde ocorreu a emergência, o paciente tem 70% de chances de sobreviver. Mas, se não houver um DEA no local, e o início do atendimento à vítima acontecer somente na chegada do resgate especializado, esse percentual pode cair para 2%.

6. Defina procedimentos

Ter uma norma interna de como devem ser utilizados os equipamentos de segurança é essencial para casos de emergência. Utilize alguns recursos, como procedimento operacional padrão para que fique à disposição de todos para futuros treinamentos e leitura fácil, material impresso para que seja distribuído entre os funcionários e defina responsáveis por cada ação, de preferência em um trabalho conjunto com a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).

Outra dica seria utilizar os recursos digitais, tais como e-mail e intranet. Assim, todos ficam cientes sobre o que fazer em caso de necessidade. Quanto mais detalhados eles forem, maiores serão as chances dos colaboradores entenderem as funções dos equipamentos de segurança.

Como outro exemplo, temos o extintor de incêndio. Esse é um equipamento de segurança obrigatório que poucos sabem como utilizar na hora da emergência. Sua eficácia é muito boa em incêndio na fase inicial. No entanto, se o operador não for treinado para utilizá-lo, sua ação poderá ser ineficiente.

Por isso, informe constantemente aos colaboradores as situações que requerem o uso de DEA. E aproveite também para fazer um bom treinamento sobre como utilizar o extintor de incêndio e outros equipamentos de segurança.

Os funcionários devem saber que o desfibrilador está indicado em casos de parada cardíaca. E que a desfibrilação (choque elétrico) só será então realizada para casos em que o equipamento faça o diagnóstico de fibrilação ou taquicardia ventricular. Mas como saber se realmente é necessária a utilização do DEA?

Inicialmente, a vítima em geral vai apresentar alguns dos principais sinais de um ataque cardíaco. E se os sintomas evoluírem rapidamente e você constatar que a vitima perdeu a consciência (o paciente se encontra inconsciente e respirando), o DEA deve ser utilizado o quanto antes. Afinal, o próprio equipamento é que vai diagnosticar e definir se o quadro é de uma arritmia maligna e se será necessária a aplicação da desfibrilação (choque elétrico).

Conclusão

Como você conferiu neste artigo, é muito importante que a empresa tenha iniciativas de proteção aos seus colaboradores e clientes. Ter um DEA é um gesto de responsabilidade, amor à vida e preocupação com a segurança de todos. E as dicas apresentadas aqui ajudam a reforçar a ação e também a demonstrar que a empresa tem essa consciência.

E você, tem um DEA na sua empresa? Conte para gente sua experiência com um desfibrilador para empresas, tão importante para segurança e saúde de seus colaboradores e clientes!