Simulação realística como metodologia de ensino e treinamento médico

simulação realística

O uso da metodologia da simulação realística é atribuído a aviação. O objetivo era capacitar os pilotos para que diminuísse o índice de acidentes aéreos e proporcionasse segurança nos voos. Com o avançar da tecnologia, as aeronaves foram se tornando mais complexas. Por isso, exigiram o aprimoramento na construção de simuladores mais realísticos.

Atualmente, o treinamento dos pilotos em ambiente de simulação é obrigatório. Isso torna, então, o voo como um dos meios de transportes mais seguro do mundo.

Nesse método, identificamo o rompimento do paradigma de um ensino tradicional, em que o professor é detentor do conhecimento. Com o treinamento pela simulação, o conhecimento passa a ser construído em conjunto com os alunos. Isso proporciona ao estudante participação proativa no seu próprio aprendizado. E o melhor: forma profissionais mais críticos, reflexivos e preparados para a atuação profissional, providos de competência exigida pelo mercado de trabalho.

A simulação para o ensino na área da saúde e treinamento médico e emergência.

A simulação embutida na formação de profissionais de saúde possibilita aos alunos desenvolverem habilidades e competências necessárias em um ambiente hospitalar. Permite que os mesmos cometam erros que os farão crescer e amadurecer, sem arriscar a segurança do paciente. Por este e vários outros motivos, cresce o uso da simulação realística nas instituições brasileiras de formação de profissionais de saúde.

Para possibilitar o ensino através da simulação realística é aplicada a utilização de estratégias como os manequins de alta fidelidade, que são robôs de alta tecnologia (que reproduzem a estrutura e ações de um ser humano). Possuem respiração espontânea, choro, fala, pulso, apresentam todos os sinais vitais a partir de uma programação prévia realizada pelo professor. E também peças anatômicas como braços para punção venosa, utilizados para o treinamento da técnica de punção, na qual ocorre introdução de um dispositivo com agulha na veia para realização de medicação e aspiração de sangue para exames. A peça proporciona a realização da técnica de procedimentos que causam dor, desconforto e risco de infecção ao paciente, com segurança, podendo ser repetida sem prejuízos a um paciente e ao estudante.

Dessa forma, a simulação realística funciona como ferramenta na preparação dos futuros profissionais que enfrentaram desafios no ambiente hospitalar. Pois, ela permite o acadêmico praticar as habilidades em um ambiente onde o erro é permitido. Assim, ele ajusta falhas e promove o aprimoramento profissional, sem riscos à integridade dos pacientes. Vemos a necessidade das instituições investirem em recursos para promover essas práticas nas instituições de ensino.

Manequins e Simuladores de pacientes

O segredo para o sucesso no aprendizado está em proporcionar aos profissionais recursos que permitam desenvolver habilidades com confiança. Por isso a CMOS DRAKE, fabricante de desfibriladores pioneira na América Latina e que já atua no salvamento de vidas há 30 anos, agora também investe em tecnologia de ponta para a evolução e treinamento médico através de simulação realística como método eficaz de ensino.

Nossos manequins e simuladores de pacientes auxiliam os educadores em treinamentos com melhores resultados na assistência. Tecnologia, segurança e confiança para capacitação eficaz e mais próxima da realidade.

Oferecemos diversos simuladores para treinamento de habilidades e manequins de Alta Fidelidade com tecnologia de simulação realística. Inclui também sistema de treinamento de emergência em grupo, abrangente, de inteligência elevada, com conectividade e multimidialidade

CONHEÇA A NOVA LINHA DE MANEQUINS E SIMULADORES CMOS DRAKE

Voltar para o Blog