Manutenção do DEA: qual a importância e como realizá-la?

como fazer manutenção do DEA

Todos os aparelhos eletrônicos precisam de certos cuidados para prolongar seu tempo uso, e a manutenção do DEA — desfibrilador externo automático — é uma das maneiras de manter esse equipamento funcionando por muito mais tempo e garantir total segurança e eficácia.

O desfibrilador da CMOS DRAKE é fácil de ser manuseado e essencial para salvar vidas. Mas para que ele atenda totalmente os objetivos para o qual foi criado, alguns procedimentos precisam ser realizados.

Neste post você vai descobrir como cuidar corretamente desse aparelho, garantido que ele esteja sempre pronto para ser utilizado sempre que necessário.

Porque fazer a manutenção do DEA

Por mais que esse equipamento seja extremamente preciso em sua atuação, a manutenção do DEA é essencial para dar ao equipamento mais tempo de vida útil. Além disso, garante que não haja falhas durante seu uso, tais como bateria descarregada, entre outros pontos.

Aqui, vale lembrar que o DEA é um aparelho que tem como objetivo principal atender pessoas vítimas de arritmias e outros problemas cardíacos que levam à PCR — Parada Cardiorrespiratória. Ele garante a sobrevida dessas pessoas até a chegada do socorro para direcioná-las a uma unidade de pronto atendimento médico.

Com isso, fica ainda mais claro entender porque a manutenção do DEA é tão importante: ele é equipamento que precisa estar sempre à disposição e funcionando plenamente, pois vidas são salvas graças ao seu uso. Agora, veja como proceder corretamente.

Primeiros cuidados

Os cuidados com o equipamento começam antes mesmo da necessidade de manutenção do DEA, seja ela preventiva, seja ela corretiva. A forma como ele é manuseado e armazenado também contribui, e muito, para seu funcionamento e durabilidade.

A primeira, e mais importante dica para manter o DEA sempre pronta para ser utilizado, além de prolongar sua vida útil é:

Mantenha o DEA sempre carregado e conectado à energia elétrica e em local de fácil acesso para uso em emergências.

Pode ficar tranquilo! Saiba que a bateria do DEA é inteligente, pois não vicia. Pode deixar o equipamento conectado à tomada para garantir que a bateria permaneça carregada. Além disso, para que o DEA esteja sempre pronto para uso, uma ótima dica é mantê-lo próximo à portaria ou à entrada dos locais. E, se possível, dentro de uma cabina como esta abaixo, que facilita a sua visualização, conecta fácil à tomada e conta com alarme de emergência.

cabina para desfibrilador

Além desses cuidados, as orientações abaixo também devem ser seguidas: 

  • nunca apoie qualquer outro equipamento ou material sobre o DEA;
  • não reutilize as partes descartáveis, verifique a validade registrada na embalagem (os eletrodos têm a validade de 2 anos) e as dispense em locais apropriados, tais como os utilizados para lixos hospitalares;
  • nunca utilize baterias ou eletrodos paralelos;
  • evite que os eletrodos descartáveis entrem em contato entre si, para não causar curto-circuito ou danificar e inutilizá-los;
  • além disso, tenha junto ao DEA itens como lâminas de barbear descartáveis, luvas de procedimento e tesouras cirúrgicas. Eles ajudarão a retirar pelos do tórax de vítima, remover roupas, bem como proteger quem está prestando o socorro.

Formas corretas de higienização

A limpeza e higienização fazem parte do processo de manutenção do DEA e devem ser realizadas mesmo que ele não tenha sido utilizado (nesse caso, trimestralmente). Já a cada vez que for usado, seu corpo e partes não descartáveis devem ser limpas com atenção, a fim de deixá-lo pronto para um próximo uso.

Para efetuar ambas as limpezas é fundamental que o aparelho esteja desligado, os eletrodos desconectados e que o processo seja realizado em temperatura ambiente, além disso:

  • jamais derrame ou mergulhe o DEA em qualquer líquido;
  • não utilize objetos pontiagudos para ajudar na limpeza;
  • utilize um tecido levemente umedecido em água e sabão líquido neutro e outro tecido umedecido em álcool etílico 70% para a higienização;
  • não faça uso de qualquer produto de limpeza abrasivo, tais como solventes, cloro, entre outros;
  • não remova as etiquetas do DEA, elas contêm importantes direcionamentos para o atendimento, também por isso, manuseie com cuidado para não danificá-las durante a limpeza.

Descarte do equipamento e acessórios

Outra parte importante do processo de manutenção do DEA é o descarte do aparelho quando esse precisa ser substituído, bem como de seus acessórios.

Identificar a necessidade de troca de qualquer parte do equipamento é de suma importância para garantir seu funcionamento. Assim, sempre que notar essa necessidade, procure peças de substituição o quanto antes e descarte de maneira certa aquilo que não for mais utilizado da maneira correta (lixo hospitalar e ou devolvendo direto à fábrica).

Para isso, você tem duas opções:

1) consultar o órgão responsável pelo meio ambiente de sua cidade e solicitar informações sobre o descarte do DEA e/ou de seus componentes;

2) ou entrar em contato com a CMOS DRAKE, que irá receber o produto e realizar a separação dos itens entre recicláveis e não recicláveis.

Saiba como proceder no descarte do DEA após o fim da vida útil do equipamento

Inspeções preventivas e regulares

Por mais que o aparelho adquirido esteja funcionando perfeitamente, é muito importante para o processo de manutenção do DEA que você inspecione e verifique regularmente os seguintes itens:

  • se todos os acessórios necessários para o atendimento estão no equipamento;
  • data de validade das pás de choque;
  • estado de conservação do DEA de maneira geral;
  • nível de bateria;
  • se há algum alerta de bateria, beep de alerta ou notificação na tela.

Além disso, a manutenção do DEA inclui a realização de testes que podem ser parciais ou completos. Esse procedimento é fundamental para identificar possíveis falhas no seu funcionamento, a fim de que elas sejam resolvidas antes que o desfibrilador precise ser utilizado novamente, evitando problemas maiores como um socorro ineficaz.

Como agir caso surjam problemas

Se em uma de suas inspeções você verificar que algo não está funcionando corretamente, ou caso observe alguma alteração ou ausência de alguns dos itens, entre em contato com a CMOS DRAKE para resolver possíveis problemas e adquirir os insumos corretos e originais.

Além disso, o manual do DEA indica ações que podem solucionar facilmente os problemas, tais como: dificuldades para ligar o equipamento, repetições de mensagens, emissão de “bips” frequentes, entre outros.

Para essas e outras questões, há o direcionamento correto que você deve seguir. No entanto, se o problema permanecer mesmo após essas instruções, é indicado que leve o DEA a uma assistência técnica autorizada para análise e conserto.

A importância da manutenção preventiva e da calibração do DEA

Outro ponto que faz parte da manutenção do DEA é o processo mandatório de manutenção preventiva e calibração do aparelho. Ela tem como objetivo manter o equipamento funcionando dentro dos padrões técnicos de software e hardware.

Para isso, diversos pontos são verificados e aferidos. Nela, eles verificarão a necessidade de troca de peças e componentes caso algum dos pontos apurados não esteja de acordo com o ideal para funcionamento do DEA. Dessa forma, essa manutenção só pode ser realizada por profissionais. Possuímos assistências técnicas cadastradas e autorizadas em diversas localidades no território nacional.

Além disso, a manutenção do DEA inclui a realização de testes que é fundamental para identificar possíveis falhas no seu funcionamento, a fim de que elas sejam resolvidas antes que o desfibrilador precise ser utilizado novamente, evitando problemas maiores como um socorro ineficaz.

Atenção: a garantia do DEA é de 12 meses após a emissão da nota fiscal do produto. Mas, caso deseje, você pode adquirir a garantia estendida de mais 12 ou 24 meses.

De todo modo, é preciso levar o aparelho a uma assistência técnica autorizada a cada 12 meses após a garantia. Essa calibração anual é mandatória. Também é aconselhável que a periodicidade de calibração seja reduzida para 6 meses, após o 3º ano de uso do equipamento.

Conclusão

Todos os pontos descritos aqui são muito importantes no processo de manutenção do DEA. Somente dessa maneira você terá ainda mais certeza de ter à sua disposição, e das pessoas ao seu redor, um aparelho essencial por salvar vidas.

Agora que você já sabe que o DEA da CMOS DRAKE é um equipamento de fácil manutenção e que você tem à disposição um suporte técnico de qualidade, entre em contato agora mesmo e garanta a aquisição do melhor desfibrilador externo automático do mercado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Blog
Tudo sobre o Cardioversor VIVO da CMOS DRAKE

Tudo sobre o Cardioversor VIVO da CMOS DRAKE

Baixar agora
Todos os E-books