Porque o desfibrilador manual é a melhor opção pra você

desfibrilador manual

O desfibrilador manual é um aparelho que, conforme o nome já diz, é operado de forma manual por quem vai utilizá-lo. Por esse motivo, precisa se manuseado por profissionais de saúde com conhecimento médico sobre como diagnosticar o paciente e técnico sobre a operação, manuseio e configuração do equipamento. O desfibrilador manual é mais comumente encontrado em unidades de terapia intensiva – UTIs, salas de cirurgia e outros ambientes em que um médico esteja presente.

Diferente do DEA – Desfibrilador Externo Automático – o modelo manual não tem regulação automática nem tampouco o diagnóstico inteligente por parte do equipamento. Ou seja, não possui aqueles comandos de voz que orientam o operador e também não realiza leitura, análise e diagnóstico com base no traçado de ECG do paciente.

No desfibrilador manual, antes e após os choques, a análise da qualidade dos batimentos do paciente deve ser feita pelo próprio médico, a partir de outro meio de diagnóstico, como um eletrocardiográfo, já que o desfibrilador manual também não dá essa informação na tela. Por isso, o equipamento deve ser usado por pessoas treinadas e somente em ambientes específicos.Sua função, portanto, é aplicar o tratamento da desfibrilação em casos em que o médico identifique a necessidade do tratamento, sendo também responsabilidade desse profissional escolher a carga de energia do choque e a configuração geral do aparelho.

Atenção: no modelo automático (DEA), todas essas configurações e ações seleção da carga, disgnóstico etc) são realizadas pela inteligência própria do DEA.

Agora, para você conhecer um pouco mais sobre o Desfibrilador Manual e para quais situações e ambientes ele é mais indicado, listamos abaixo algumas características e diferenciais do Desfibrilador Bifásico Manual da CMOS DRAKE: O Desfibrilador Bifásico VIVER, confira! 

Para entender melhor as diferenças entre o Desfibrilador Manual e o DEA, clique aqui e confira o artigo que compara esses dois modelos.

Características e diferenciais do Desfibrilador Bifásico VIVER da CMOS DRAKE

Custo-benefício

No caso dos DEA, os eletrodos usados para transmitir os choques ao paciente são todos descartáveis, ou seja, necessitam ser trocados a cada uso, gerando custos. Já os desfibriladores manuais os eletrodos são permanentes, o que os fazem mais econômicos e viáveis para locais que o utilizam com mais frequência, como as clínicas, centros cirúrgicos e hospitais.

E ainda os eletrodos são intercambiáveis e seguros. Eles possuem uma conexão na própria pá que, ao ser desenroscada, se transforma em eletrodo para uso infantil com a quantidade de joule limitada a 50 joules para segurança no atendimento a crianças; ou seja, é 2 em 1 (adulto e infantil). Dessa forma, o Desfibrilador Manual é mais econômico e viável para quem utiliza com mais frequência ou pensa no uso a longo prazo.

Menos agressividade nas ondas para o paciente

No caso do desfibrilador VIVER da CMOS, é utilizada uma tecnologia de onda bifásica exponencial truncada, que é ainda mais eficiente e menos agressiva, ou seja, essa tecnologia ajuda a aumentar as chances de sobrevida nos casos de reversão de arritmia, tendo 96% de chances de sucesso já no primeiro choque. Além disso, ainda possibilita menores danos cerebrovasculares.

Para se ter uma ideia, a tecnologia bifásica requer uma menor quantidade de energia, que varia de 150 a 200 joules, o que significa mais eficácia em situações de fibrilação ventricular prolongada.

Facilidade na montagem e manuseio

O suporte para eletrodos do desfibrilador manual é de encaixe intuitivo, fácil e tem alça para transporte, facilitando seu transporte.

O desfibrilador manual possibilita seu uso em cirurgias

Nesse aparelho, é possível encaixar pás invasivas, ou internas, que são ideais para uso em cirurgias e procedimentos que precisam do equipamento para restaurar os batimentos cardíacos do paciente e ajudar a voltar ao ritmo normal, contribuindo para excelentes resultados do processo.

Mobilidade e fácil conexão

O desfibrilador manual oferece conexão por sincronismo com monitorização, recarga por meio energia elétrica com carregador inteligente e ainda possibilidade de se conectar com UTIs móveis, ou seja, traz mais mobilidade e facilidade para uso em diferentes ambientes e situações.

Além disso, o desfibrilador CMOS VIVER oferece opção de seleção manual simplificada e entrada para choque em sincronia com o monitor paramétrico, possibilitando uma análise e tratamento mais preciso, além da possibilidade de cuidar de outras arritmias além das que são tratadas pelo DEA, através da cardioversão.

Compacto, portátil e simplificado

Sua alça integrada e peso de apenas 2,3kg proporcionam facilidade no manuseio em qualquer situação. Além disso, a seleção de energia e disparo podem ser feitos diretamente pelas próprias pás, usando os botões  APEX e STERNUM. Essa facilidade traz ganho de tempo na hora do seu uso e praticidade.

Possibilidade de itens opcionais

Ao adquirir um desfilador CMOS VIVER, você vai receber um tubo de gel condutor, um carregador de bateria, um cabo para sincronismo, um manual e um certificado de garantia. 

Mas além desses itens, o desfibrilador manual também pode ser equipado com opcionais. Alguns deles são opção de energia de 360 joules, pás de choque internas para procedimentos invasivos em tamanhos diferentes para adultos, crianças e recém-nascidos, além da conexão para UTIs móveis, entre outros. 

Os opcionais ainda incluem opções de idiomas inglês e espanhol, cabo de ligação com bateria externa e carro móvel de parada cardiorrespiratória.

Bateria e uso

A bateria do desfibrilador manual VIVER é recarregável e oferece duração de 3 horas ou 80 choques de 200 joules.

Por que o Desfibrilador Manual VIVER é a melhor opção para você?

Primeiramente, ele pode atender mais casos e tipos de arritmias, já que inclui a cardioversão, que é o choque sincronizado com o pico da onda R dos batimentos cardíacos, podendo salvar ainda mais vidas.  Além disso, ele é adaptável a adultos e crianças sem a necessidade de troca de eletrodo, porque os eletrodos são intercambiáveis e se ajustam automaticamente o limite de joules, não havendo necessidades de eletrodos separados para cada idade.

Ele também pode ser usado com pás internas invasivas para uso em cirurgias e aplicação de desfibrilação e cardioversão neonatal.

Em que situações ele é melhor?

O Desfibrilador Manual VIVER é mais indicado em locais onde seu uso é recorrente, como em clínicas, hospitais e centros médicos, e onde há médicos para manuseá-lo corretamente, onde se procura qualidade, agilidade no atendimento e bom custo-benefício.

Primeiros passos para uso

Para começar a usar o desfibrilador manual, depois de desconectar da tomada, aperte o botão Liga/Desliga por 1 segundo. Então, você pode selecionar a carga, carregar, aplicar o choque ou anular a carga e/ou sincronizar com o monitor externo – confira a listagem de monitores compatíveis com a nossa equipe. Ambas as ações podem ser feitas pelas pás de choque ou pelos botões de fácil acesso no painel. 

Botões de seleção no teclado

O botão Joules é usado para ajustar a carga elétrica. Para subir, aperte a seta que aponta para cima. Para diminuir, a seta para baixo.

A tecla Carga é responsável por carregar o capacitor. Depois de carregá-lo, o desfibrilador mantém sempre o mesmo nível selecionado por ela.

O  botão Disparo tem a função de descarregar o choque no paciente. Essa tecla é bloqueada caso o sincronismo esteja ativado e um pulso de sincronismo não seja detectado.

A tecla SINC tem a função de ativar esse modo de sincronismo e seu funcionamento é indicado com uma luz em LED amarela na parte superior da tecla com a grafia SINC.

Segurança e qualidade

A CMOS Drake é pioneira  em desfibriladores na América Latina, por isso, conta com o que há de tecnologia mais avançada em seus aparelhos. Desta forma, você garante um excelente equipamento, com o melhor custo-benefício do mercado, adquirindo-o diretamente da fábrica.

O desfibrilador manual é um aparelho indispensável em qualquer ambiente médico e de emergência, por isso, optar pelo que oferece tecnologia de ponta pode ajudar a salvar muitas vidas quando operado por um profissional capacitado.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o desfibrilador manual, venha saber mais sobre o modelo VIVER da CMOS e confira de perto suas vantagens!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Blog
Tudo o que você deve considerar na hora de comprar um desfibrilador DEA

Tudo o que você deve considerar na hora de comprar um desfibrilador DEA

Baixar agora
Todos os E-books